A Geração X está chutando o balde.

Essa semana recebi um e-mail de despedida de uma amiga e parceira de trabalho. Ela vendeu sua parte na sociedade da empresa que ela mesma havia montado, anos atrás, para tirar um período sabático. Vai para a Europa estudar gastronomia e fotografia, suas duas paixões.

Não é a primeira nem última amiga minha, por volta dos 35 anos, com uma carreira bem sucedida e vida estável, que toma essa decisão. Uns três anos atrás, um amigo próximo um dia disse adeus ao emprego que tinha. Todos ficaram meio surpresos. O cara trabalhava há mais de uma década em grandes empresas, era respeitado e tinha uma vida confortável no Rio de Janeiro. Mas encheu o saco. Resolveu estudar Gestalt, voltou pra Florianópolis – sua cidade natal – e abdicou de grande parte do conforto em busca do que o faria feliz de verdade. Ele nunca mais fez uma apresentação de power point na vida, usa o excel apenas para controlar seus gastos mensais e esbanja um brilho nos olhos toda vez que nos vemos.

tumblr_lra44eFvuz1qj3oaro1_500

Fato é que histórias como essas têm sido cada vez mais comuns na minha geração. Enquanto todos se preocupam com a urgência e ambição da Geração Y, a Geração X, imediatamente anterior, está repensando seus conceitos e valores. Fomos criados acreditando que uma vida feliz era falar línguas, fazer carreira, trabalhar a vida inteira numa ou duas grandes empresas, comprar o apartamento próprio, construir uma família para sempre e ir pra Disney (ou Paris) uma vez por ano. Uma vida estável e fixa, sem rompantes de aventura.

Acontece que grande parte da Geração X chegou aos 30, 40 anos e descobriu que para juntar meio milhão e dar entrada, com sorte, num apartamento modesto que irá pagar até seus 60 anos, o caminho é longo e o preço é alto, bem alto. Os poucos que conseguem, heroicamente, conquistar seus bens e sonhos sem a ajuda dos pais, estão exaustos. Olham em volta e mal têm tempo de curtir os filhos ou as férias exóticas que sonham (e têm dinheiro para tirar) para a Tailândia, Marrocos ou Havaí. Há também aqueles que ficaram tão ocupados em conquistar aquilo que lhes foi prometido que deixaram para “daqui a pouco” os filhos, os hobbies e a felicidade e perceberam, agora, que “desaprenderam a dividir”.

No meio disso, veio essa sedutora mobilidade contemporânea, mostrando a nós o que nossos pais ainda não podiam nos ensinar, que é possível existir estando em qualquer lugar e que não é uma mesa de escritório ou um cartão de visitas que nos faz mais nobre, mas sim aquilo que de melhor podemos oferecer ao mundo. Só que descobrimos isso depois de passarmos grande parte da nossa juventude preocupados em nos sustentar, sermos bem sucedidos, conquistar prestigio e reconhecimento. Para, enfim, ter a liberdade de chutar o balde e sair por aí…

images

Esse texto foi públicado pela Fabiana Gabriel na Revista Carne Seca e reproduzido aqui com autorização da revista.
Conheça outros textos da Revista Carne Seca clicando aqui.

Anúncios

Sobre Vagabundo Profissional

“Muitos pensam que sou rico. Outros pensam o contrário. O que ninguém sabe é que minha riqueza é medida em histórias, em experiências e pessoas. Sim, sou rico. Porque viajei o mundo sem um único centavo no bolso. Sim, sou rico. Por causa das pessoas que conheci. Mas acima de tudo, sou rico, por que descobri o verdadeiro significado da vida.” (Fergal Smith)
Esse post foi publicado em Textos. Bookmark o link permanente.

69 respostas para A Geração X está chutando o balde.

  1. Pois é, tem que ter muito “peito” pra chutar o balde, arriscar e fazer da sua viagem a mudança de que a sua vida necessita. Fiz isso, não me arrependo, mas não é pra qualquer um…

    • jacksonantunesrosasantos disse:

      concordo Lets, pois não é todo mundo que tem apoio em alguma adversidade, além da restrição orçamentária de cada um. O desafio é grande, exige estudo prévio com mensuração dos riscos envolvidos, para enfim obter o sucesso na empreitada 🙂

      • Sinceramente eu acho que vocês não entenderam a ideia. Sair do seu emprego fixo para chutar o balde com segurança é trocar seis por meia dúzia, não haverá renovação de espírito, é justamente contra o conformismo que essas pessoas lutam. Se arriscar exige coragem e fé e nada mais além disso, se exigir planejamento já deixa de ser um desafio. Isso é típico de muchileiros da internet, sonham em dar a volta ao mundo sem nem mesmo ter dado a volta no próprio quarteirão caminhando a pé!

  2. Glauco Diaz disse:

    Bem legal e animador, . Mas bem utópico tbm…
    Pra mim, isso só ocorre nos textos mesmo.
    Ou será que a moça que largou a empresa bem sucedida, está vivendo de luz na Europa? E o rapaz que voltou pra Floripa, será que vive de sol e praia? Me parece que, em ambos os casos, se tratam de pessoas de berço nobre ou que conseguiram uma boa poupança ao longo do tempo trabalhado.
    O fato é que, bem sucedido ou não, temos que trabalhar e ralar muito! E não é só pra conquistar uma casa, uma carro bacana ou a tal estabilidade. Precisamos ralar pra comer mesmo! Pagar as contas básicas! Pelo menos essa é a minha realidade de classe média baixa.
    Pra mim, “chutar o balde” só é possível para quem tem alguém que sustente ou uma boa poupança no banco.
    Pq fotografia só dá dinheiro para os que são profissionais! E esses ralam tanto quanto um empresário.

    • Estou chutando o balde ano que vem, vou pra Europa, sei que vou limpar chão de gringo, mas, melhor que ficar só curtindo as fotos no facebook… Morrer todos vamos, então bora lá aproveitar.

      • Clovis Santos disse:

        Magnífico! Vá em frente filho. Estou criando coragem pra fazer algo parecido. Abcs

      • pexepower disse:

        Os europeus tentando vir pro Brasil à procura de emprego e vc tentando ir pra lá? Tem certeza que limpar chão de gringo é mais lucrativo que limpar chão aqui mesmo? Bem, boa sorte.

      • Vai, é a melhor coisa a se fazer. E se tiver que limpar chão, que limpe. Afinal vc não irá fazer isso por muito tempo. Da mesma forma existem várias outras formas legais de ganhar dinheiro sem limpar chão. Porem a experiencia de viajar, morar e viver outra cultura é magnífica. Já chutei o balde, e não uma, mas duas vezes, e ainda estou morando fora. É um vício. E se nada der certo vc pode voltar para onde veio, com uma bagagem e experiencias incríveis.

    • você tem toda razão.
      mas o principal é correr atrás de fazer o que gosta, mesmo ralando muito.
      é muito mais suportável ralar tirando foto (se você quer ser fotógrafo) do que ralar fazendo power point (porque você fez administração de empresas, e todas as empresas são iguais)…

    • jacksonantunesrosasantos disse:

      de acordo Glauco!!

    • Renan Valente disse:

      Concordo contigo. O texto é lindo e inspirador mas infelizmente não é bem a relidade.
      Existem diversos textos de pessoas que fizeram isso e deram certo, mas essas pessoas correspondem a uma minoria pois muito estão ainda piores.
      Não é simples chutar o balde e ir pra Europa ou viajar o mundo, é necessário ter ralado e ter muito dinheiro para ficar se sustentando. Eu fico feliz com o básico mas hoje em dia o básico está caro e não tem milagre.
      Da mesma forma que teve um caso recente de um CIO que largou o emprego para cuidar dos filhos….quantos milhões esse CIO tinha na conta ?!? Não é algo para se aplaudir de pé, pois se eu tivesse esse dinheiro sem dúvida tbm largaria tudo !
      É um sonho mas infelizmente acho que um pouco difícil para quem tem os pés no chão.

      • Quem tem o pé no chão não faz isso. Uma hora a conta chega e você vê que pagou caro e decide dar um basta. Faz quem tem condições, Faz quem tem coragem. Pelo menos uma das duas alternativas é necessário.

    • Não é parar de trabalhar… e sim trabalhar menos. Menos luxo, menos posses, menos caos e mais liberdade, mais tempo para você, mais tempo pra sua família e por aí vai. Eu larguei empresas e trabalho sozinhol Ganho menos, trabalho menos e vivo melhor. Cada um escolhe suas prioridades. Eu prefiro não ter um carro importado mas poder viajar todo final de semana como faço e trabalhar só 6 horas durante a semana… cada escolha uma renúncia. Cabe a cada um decidir onde quer chegar.

    • Eu acho que o que vale é o equilíbrio, parar de trabalhar e viver uma vida alto padrão numa ilha exótica me parece impossível, Agora viver uma vida mais simples, rever prioridades, deixar essa vida fútil e ao meu ver vazia que estamos acostumados, me parece viável. Estou com 34 anos e penso muito em como chegar ao que considero o paraíso na terra, tenho certeza que daqui alguns anos, com um pouco de planejamento e sabedoria, chego lá. Todos chegamos : )

    • Glauco, digo que nao eh facil, sou da mesma origem que tu, se posso dizer isso, classe media baixa, mas a partir do momento que percebi que nao estava mais tao feliz com o meu trabalho e a vida de escritorio, fiz oq tu chama de uma boa poupanca, durante um ano e meio + ou – , juntei uma grana e ai quando tu sai do trabalho (eu pedi demissao) tambem vem mais alguma merreca para sua poupanca. Eu tinha uma “seguranca” no valor de um carro popular e ai tudo depende da vida que quer levar e como vai viver. Eu sai para viajar, depois de 3 meses “batendo perna” resolvi me instalar, para mim “soh” viajar cansa. Me estabilizei na Tailandia, virei instrutor de mergulho (um investimento razoavel), levo uma vida bem diferente que levava, as horas de trabalho sao ate semelhantes o ambiente eh diferente, entao acabo me sentindo mais leve… Agora se eh isso para a vida toda eu pouco sei…eu costumo dizer que nao faco a minima ideia do que estou fazendo, porem esta divertido… =) (perdao pela ausencia de acentos, meu pc eh thai e nao sei usar direito…) hahahaha

    • Se vc experimentar se arriscar um pouco e lutar para fazer aquilo que realmente gosta, vc vai ver que geralmente dá certo sim.

    • “Ela vendeu sua parte na sociedade da empresa que ela mesma havia montado, anos atrás, para tirar um período sabático. Vai para a Europa estudar gastronomia e fotografia, suas duas paixões.”

      Isso já diz tudo meu amigo, ela ralou muito, montou seu negocio e depois vendeu, devemos estar falando ai de bastante grana, não adianta ser peão a vida toda (não que toda profissão não seja valorosa) e querer chutar o balde para estudar fotografia, nesse caso ate da também, mas vai ter que trabalhar em algo parecido em outro lugar, certeza que já vale a pena, que seja para se peão o resto da vida, sendo em vários lugares do mundo, conhecendo varias culturas e ambientes diferente já fica fácil ser feliz, é só a questão do que cada um procura.

    • concordo em gênero, numero e grau. Já “chutei o balde” por um tempo.. e isso só foi possível pois juntei uma grana pra isso acontecer. Isso não isenta ninguém de trabalhar pelo pão de cada dia. Muitos vão pra fora e tem empregos “Sub- Empregos” eu dirigia, e mesmo assim ainda sentem que falta algo na vida. Viajar uma vez por ano pra Disney com a família pode fazer vc feliz. O problema hoje é a que a juventude só se aceita se se considerados “ricos” e como ter a casa própria já não é tão fácil como na época dos nossos pais se frustram, pois acham que terminando a faculdade vão ter reconhecimento e um bom salário. Ai quando acordam pra realidade estão insatisfeitos. E “chutam o balde” pra se dizerem feliz por viajar. O segredo é ser feliz com suas escolhas.

    • Debora Bittar disse:

      Concordo. Totalmente utopico. Ter o mínimo pra pagar contas (plano de saúde pra vc tentar nao morrer tão rapido, escola de filhos, condominio, gasolina e comida) não tá facil. Isso que nem to falando de ir ao cinema, viajar a passeio, ir no shushi toda semana… eu vivi ao contrario: viajei por 10 anos, morei aqui, ali, ásia, europa… agora voltei pra minha cidade natal, e tenho que pagar contas igual. Eu gostaria de ter ficado na Europa onde vc ganha melhor e vive melhor, mas… ser estrangeiro nao é sempre a coisa mais fácil do mundo. Não adianta nada estudar Gestalt e depois ficar em passeatas reclamando que tudo é culpa do governo. COnheço de perto alguns casos desses e, pelo amor, é coisa de Alice [no país das loucuras]. Muito mimimi “nao quero” “nao vou” “coitadinho de mim”. Vitimização culpando os pais que acharam que dar o maximo de si era o certo a se fazer, pq as x eles não tiveram td que quiseram ter. Fora que todo mundo que passeia, come fora ou vai em qquer lugar fica tirando foto pra contar vantagem. Eu acho que é mais uma crise de identidade do que qquer outra coisa. De repente todo mundo com trauma de infância pq foi ensinado a trabalhar. Sinto falta MESMO é de viver numa sociedade onde vc nao precise ficar esbanjando pra se sentir bem, onde não importa a roupa q vc use pq se vc tá bem é o que importa, num lugar onde o saco de pipoca nao custe 20 reais pq tem babacas querendo enriquecer a qquer preço, ou que nao te olhem torto pq cv tem um oculos de sol que nao é o “must have”. Vc viaja pra fora do país e ve que essas coisas são possiveis. Mas já pensou limpar chão no Brasil? ou andar com a roupa que quisesse? Não pode, né? O que tem que mudar é a cabeça, e não balde nenhum!

      • Alice Haag disse:

        Debora, seu comentário coincide perfeitamente com o que penso. Quem não consegue infringir as regras tidas como padrão de qualidade de vida, acaba tendo que fugir. Se a pessoa tem personalidade, jamais será maria-vai-com-as-outras.

    • Melania Back disse:

      Concordo plenamente nada vem de graça.

  3. Rober Soares disse:

    Fiz isso em 2012 e nao me arrependo nenhum pouco, joguei tudo pro alto, trabalhei 5 anos em uma empresa de tecnologia, hoje faz dois anos e seis meses que moro na irlanda! aprendi muito nesse periodo e tenho muito que aprender pois quero continuar essa vida de mochileiro.

  4. Achei muito interessante, e como eu ficaria feliz e satisfeita da minha vida em chutar o balde que tem feito da minha vida uma infelicidade só! A questão é que como o amigo mencionou para pagar as contas, comer e ter o básico temos que tirar renda de algum lugar… Eu só conto comigo mesma. Estou em busca de algo que me satisfaça mais, mas infelizmente ainda tenho que me preocupar com renda. Com certeza hoje enxergo isso de maneira bem diferente do que quando era mais nova. Estou mais disposta a ter menos dindin para ter mais realização e felicidade…

    • Rober Soares disse:

      OIeeee, Michelle, tbm pensei muito sobre o dinheiro para me manter, isso pesa muito como vou me manter, ai vem a resposta tem que esta disposta a trabalhar em sub-emprego! tipo aqui onde moro Brasileiros nao tem muita oportunidade! mas tudo depende do nivel de ingles e da sua disposicao, para trabalhar e realizar seus sonhos….

    • pra pagar as contas e comer, dá pra arranjar um emprego qualquer em alguns países.
      aqui, seria impossível fazer isso lavando pratos, por exemplo. mas lá fora, às vezes dá.
      dá uma procurada nas opções! e boa sorte pra resolver essa infelicidade

  5. Bom, faço parte da geração Y, como dirijo moto o dia todo sempre penso no pior, uma vez q já vi varios amigos meus morrendo nas estradas por besteiras, então penso. pra que gastar 30 anos da minha vida pagando um ape? 5 pagando um carro do ano que deprecia 25% ano? Então… tenho um mês de férias, um salário girando em torno de 3k (invisto 1k;mês). divido as férias em 3 vezes de 10 dias e faço 3 viagens ao ano. essa ano já fui ao estados unidos, republica dominicana, chile, Rio de janeiro e estarei indo fim de ano para uruguai (passar o reveillon) e argentina. Já planejando chile (novamente em julho/15) peru em outubro/15 e europa em 2016. Isso muito intriga meus PAIS da geração X. Como que eu consigo fazer isso sendo q tenho bem menos dinheiro que eles, eles ficam dizendo que essa era a vida q sonhavam etc… q era, era, era…. bom, mudei o tom com eles e passei a falar mais sobre como conseguir isso, como fazer, se divertir etc… hoje eles estão chutando o balde também. estão viajando direto, deixando a vida estressante de lado e aproveitando. ja falaram que ano que vem pretendem vender seus negocios e viver de aluguel, uma vida simples porém uma vida! fico feliz em relatar com muito orgulho a mudança que esta acontecendo.

  6. Mark bolns disse:

    Thank you
    Blog fantastic

  7. Gustavo disse:

    Republicou isso em Para o Alto e Aléme comentado:
    Muito bom. Pra pensar.

  8. Sem dúvida alguma isso não é pra qualquer um, sou músico independente e infelizmente a música ainda não paga as minhas contas, ainda mais em uma cidade como SP que você quase não tem acesso a nada gratuitamente. Então pra chutar o balde no meu caso seria impossível. Mas para essas pessoas que mudaram radicalmente, admiro muito e essas pessoas são minha inspiração para que um dia eu consiga viver com mais sorriso fazendo o que amo, música.

  9. Acredito que isto esta definitivamente mais ligado aos medos remanescentes de nossos paradigmas mentais a condição financeira propriamente.

  10. Trabalho, vivo na España e viajo bastante, mas as férias já não são suficientes pra ver todo o mundo que quero. A vontade de chutar o balde é enorme por enquanto só falta um pouco mais de dinheiro e uma pitada de coragem.

  11. Concordo e desde que me conheço por gente …eu chuto o balde…nem sempre acontece tudo como eu gostaria, mas de alguma forma dá certo. Só acho uma pena que alguns ainda se prendam em comparações(como alguns comentários feitos sobre o texto). Ora…chutar o balde não só largar tudo e ir pra Europa…pode ser só mudar de trabalho…mudar de ideia…mudar de casa…mudar de bairro. G-suis…chutar o balde pode ser só mudar de estado de consciência, sair da caixinha…abrir a mente!! Quem não lê nas entrelinhas …ou é cego…ou esta “dormindo”como a maioria das pessoas nesse planeta. Eu sou a favor de chutar o balde sim!!!! Chute você também!!!

  12. O melhor é o cara do CIO…..hahahahaha….CIO….(Ciclo de Intensa Ovulação) é o estado de receptividade sexual extrema por que passam as fêmeas de muitos mamíferos (excepto no ser humano, em alguns primatas e nos morcegos, felinos e cadelas por exemplo)….hahahahahahahahahahahahaha…..CEO…Chief Executive Officer……hahahahahahahahahahahahahahahahaha…………vão trabalhar e estudar primeiro e depois pensar em se tornar uma pessoa inteligente e aí sim estudar a melhor forma de ganhar um pouco de liberdade e tranquilidade!!!! NÃO EXISTE MILAGRE!!!!!! Trabalhe muito por um bom tempo, guarde algum dinheiro e depois faça como o amigo João Guilherme!! Isso é sensatez!!!!!

    • elidb disse:

      É por pessoas como você que o mundo está cada vez mais fútil e desesperado! Que perde seu tempo criticando as pessoas que têm coragem de expor suas opiniões, de forma a contribuir com uma reflexão atual e importante… Só para seu conhecimento e crescimento pessoal: CIO – Chief Information Officer, Diretor pelo departamento de Tecnologia de Informação em uma organização. E nem preciso ser muito inteligente para saber isso…

  13. “…Imagina quanto o CIO teve que trabalhar…”………..estou tentando imaginar até agora…..HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!!!!!!!!!

    • elidb disse:

      É por pessoas como você que o mundo está cada vez mais fútil e desesperado! Que perde seu tempo criticando as pessoas que têm coragem de expor suas opiniões, de forma a contribuir com uma reflexão atual e importante… Só para seu conhecimento e crescimento pessoal: CIO – Chief Information Officer, Diretor pelo departamento de Tecnologia de Informação em uma organização. E nem preciso ser muito inteligente para saber isso…

  14. Trabalhe MUIIIIITOOOOO….aqui, na China ou na Polinésia……têm que TRABALHAR!!!!!!!!!

  15. elidb disse:

    É por pessoas como você, Sr. Neto Madureira, que o mundo está cada vez mais fútil e desesperado! Que perde seu tempo criticando as pessoas que têm coragem de expor suas opiniões, de forma a contribuir com uma reflexão atual e importante… Só para seu conhecimento e crescimento pessoal: CIO – Chief Information Officer, Diretor pelo departamento de Tecnologia de Informação em uma organização. E nem preciso ser muito inteligente para saber isso…

  16. Julio Beal disse:

    Estou fazendo isto neste exato momento!!!!

  17. Republicou isso em escrevinhandoideiase comentado:
    difícil perceber limites quando se está no meio do furacão, ainda assim…. chutar o balde pode ser um caminho!

  18. Ao observar alguns comentários eu vejo que as pessoas não entendem o que essa geração busca. O conformismo parece afetar a coragem das pessoas, todo mundo acha lindo viajar pelo mundo, largar o emprego numa multinacional e viver no campo, porém parece que todos acham que fazer isso é como tirar umas longas férias em que você vai manter seu padrão de vida em um ambiente mais tranquilo.
    Primeiramente as pessoas têm que entender que se você pretende manter seu padrão de vida então não esta na hora de você sair do lugar. Deve-se saber que para viver sem medo da violência urbana, sem o caos do trânsito ou sem as poluições de todas as suas formas então deve-se pagar lá o seu preço. Não haverá mais tantos serviços a sua disposição nem ferramentas para o seu conforto, mas haverá sim um grande prazer em tomar um banho gelado e ter que fazer sua própria comida. Caso você não abra mão de um fast food, de um cinema, de internet rápida, ar-condicionado ou de um banho quente então é melhor se manter no mesmo lugar mesmo que você não aguente mais o boçal do seu chefe. Acredite que você ainda está onde deveria estar até que você passe a julgar que qualidade de vida não tem nada a ver com dinheiro, luxo ou conforto.
    Depois é preciso entender que não haverá mais férias até o final de sua vida. Não interessa onde você estiver você terá uma função para fazer. Há quem acredite que “chutar o balde” seja o mesmo que não fazer nada, mas não é bem assim. Deve se garantir a sobrevivência, e é nessa hora que as pessoas descobrem seus talentos antes ocultos pelos moldes da sociedade.
    Se você trabalha em um escritório usando como ferramenta seu conhecimento adquirido através de estudos, ao “chutar o balde” você vai precisar de algo a mais, além de tudo aquilo que você estudou no colégio ou na faculdade você também vai precisar do seu conhecimento de campo. As suas influências e as manobras que você aprendeu a dominar desde a infância serão de grande importância, e você vai descobrir que ainda sabe muito pouco sobre isso por que ficou muito tempo focado em uma só função. Tenho um amigo que veio do Uruguai onde ele ganhava a vida como advogado, hoje ele mora em uma cidadezinha paradisíaca próximo de onde eu moro atualmente, ele agora é artista plástico, pintou seu primeiro quadro com mais de 30 anos e descobriu que havia um pintor dentro dele. Antes, como advogado, ele abastecia o tanque de um bom carro em Buanos Aires mas hoje ele paga as parcelas de uma bicicleta bem simples que ele usa para passear com a filha dele. Realmente ele ganha bem menos agora, porém o esforço ainda é o mesmo e importância que ele dá a sua bicicleta também é o mesmo qual ele dava a seu carro nos tempos de advocacia.
    Por último, mas não menos importante, um fator que deve ser levado a sério e que é o assombro de várias gerações. É preciso entender o prazer de correr o risco e ter fé nos seus sonhos. Se for pra ficar esperando a hora certa de ir você nunca vai sair do lugar, e por mais que seja compreensível o desespero de quem se arrisca e não obtém sucesso é preciso entender que o sucesso é fruto da fé, se você não acredita na vida que segue você não vai conseguir ser feliz nem no Rio e nem no Nepal. Entenda que não haverá derrotas se você acreditar que é imbatível e que tudo conspira a seu favor, o derrotado é vítima de sí mesmo, provavelmente ele acreditou nos críticos ou alimentou os próprios medos. Isso tudo é fruto de exercícios que todos devem praticar todos os dias, comece a erguer o queixo e encher o peito e encher o peito, anule seus medos e acredite que se o mundo é uma enorme mansão você não é visita aqui, você é um dos proprietários dessa casa e é um direito seu usufruir de sua estrutura.
    Chutar o balde pode ser fácil como pode ser difícil, não depende das condições ou dos motivos mas sim da atitude de simplesmente querer mudar. Caso algo dê errado saiba que nunca haverá uma perda, você pode abandonar um emprego importante pra sair do lugar e depois querer retornar ao seu velho cargo e não conseguir a vaga de volta, mas quando você voltar você será mil vezes melhor do que quando ainda estava parado no mesmo lugar. O estágio da vida ao ar livre e o conhecimento de campo é a maior das experiências que podemos ter alcance. O acumulo de diplomas e troféus ganhos sob métodos mecanizados não dão tanto prazer quanto poder dizer que você exercitou todos seus sentimentos vivendo inúmeras histórias fantásticas e testemunhando espetáculos.

    • isso é inspirador do seu amigo…
      eu trabalhei em Banco e larguei minha carreira, também estava atuando como advogado…. agora em setembro viajarei.. muitos nao me entendem e me chamam de louco por largar minha casa, minha familia, amigos e empregos…. mas a paz interna precisa reinar… e se nao há equilibrio nosso com a gente mesmo e com o ambiente, nao há jeito para harmonizar a vida…

    • Exatamente. É bem difícil arrumar um bom emprego fora. Em certos lugares é praticamente impossível. E quase impossível, se vc tem um bom padrao de vida no Brasil manter esse mesmo padrao, por ex, na Europa, onde preços de alugueis estao nas alturas. As pessoas leem posts como o post original e acham super legal chutar o balde e sair por ai, mas o buraco é bem mais embaixo. Admiro quem tem coragem, mas coragem só nao é suficiente. Se vc quiser morar por algum tempo, tem que ter direito pra ficar no local (e quando visto expira, vc teria que estar trabalhando, pois ai conseguiria um visto permanente dependendo do seu trabalho). E arrumar emprego fora do Brasil em MUITOS países está muito, mas MUITO difícil. Entao nao é só chutar o balde. Se vc nao tiver programacao (e sorte, ESSENCIAL), tá f…

    • Até que enfim, alguém entendeu o texto…hehe

      A maioria das pessoas vê esta mudança como férias, é verdade, mas o que o texto sugere é que essas pessoas mudaram seus padrões de vida, por acreditarem que assim, serão mais felizes.

      É perfeitamente possível viver melhor ganhando menos, trabalhando menos, deixando de gastar dinheiro com coisas que na verdade não tem importância alguma, mas que, para as pessoas da geração X, eram consideradas primordiais para a constatação do “sucesso pessoal”, a maioria das pessoas que “chuta o balde” chega à conclusão que este modelo não lhes traz a satisfação pessoal que lhes foi prometida no passado, esse é o ponto.

      O emprego que “era bom” porque lhe proporcionava um ótimo salário é o mesmo que toma o tempo e a saúde e lhe impede de desfrutar a vida, e desfrutar a vida não é comprar um carro de 200mil, isso é status.

      Qualquer um pode tomar essa atitude, mas essa vida não é para qualquer um. Não faz muita diferença se você tem uma ótima poupança, ou se tem filhos pra criar. Óbvio, se você tem dinheiro guardado tem mais capacidade de investimento nessa nova vida, se você não tem filhos e/ou é solteiro(a) terá mais liberdade ainda, mas se “chutar o balde” irá perceber que grande parte do seu custo de vida está diretamente atrelado ao modelo de vida que você leva e que seus filhos vão encarar qualquer coisa junto com você, e vão achar o máximo.

      É um engano acreditar que o “conceito aventura” é algo que tem prazo de validade, que 1 ano depois a pessoa volta a ter a mesma vida de antes. Ela pode ter, todos são livres para escolher e são reféns de suas escolhas, mas a ideia central é mudar seu padrão de vida, mudando as prioridades. Se você não mudar as prioridades não vai mudar de vida, estará mesmo é fazendo uma grande bobagem…hehe.

    • Gabriel, excelente comentário!

  19. O termo “chutar o balde”, é quando a vontade é tanta que ressurge uma atitude explosiva.
    Chute o balde sempre que puder ou morra de braços cruzados, pois quem garante que você vai viver a vida inteira? Nem sempre temos a segunda chance e a vida, e o tempo são obras únicas.
    Chutou o balde e se deu mal? Foda-se a opinião dos outros. Comece de novo, te garanto que começaras com muito mais visão, força e entusiamo, diferente de que quem vive com medo de se arriscar.

  20. Não há pq ficar no dilema Disney ou Paris, existe a Disney Paris, gente! 😀

  21. Comigo está acontecendo o mesmo…
    temos que buscar aquilo que nos faça bem, seja onde for…

  22. Bacana a matéria, é preciso ter coragem para mudar e ser feliz mesmo sem os holofotes de uma profissão, salário, etc, etc, etc. Existem livros sobre isto, um deles é Devagar, Simplicidade Voluntária e a Arte de Ser leve, entre outros.

  23. Diego Weigert disse:

    ok, legal a matéria, mas depois de conseguir o que tem é acumular fica fácil viajar pelo mundo, vender uma parte da sociedade da empresa é fácil, quero ver uma pessoa viver mundo afora sem dinheiro, não é todos que tem esse dom de meter as caras no mundo. Eu adoraria muito poder conhecer os campos do Paraná, mas não tenho dinheiro nem carro pra isso. O cara não escolheu a vida simples, ele só acumulou o que seu emprego ofereceu.

    • Fácil é sempre colocar a culpa na falta de dinheiro ou na “falta de oportunidade”, quando na verdade a oportunidade perfeita somos nós que fazemos.
      Se esperarmos sempre o momento perfeito, a condição financeira perfeita nunca iremos fazer nada.
      Adoraria conhecer os Camps do Paraná, mas não tem carro nem dinheiro? Ok, quem disse que precisa de carro ou dinheiro pra fazer alguma coisa? Você precisa primeiro de vontade, e se não fez ainda é porque, na verdade, não quer tanto assim.
      Já postamos aqui sobre pessoas que viajam de carona, a pé, de bicicleta, sem dinheiro, com orçamento apertado, trocando serviço por hospedagem e alimentação…

      Montamos uma seleção com as desculpas mais usadas por todo mundo pra não viajar, carro e dinheiro estão entre elas. Saia da zona de conforto, pense fora da caixinha e pare de colocar a culpa na falta de uma coisa desnecessária 😉

      “Ah!!! Eu não tenho dinheiro para viajar.”

      – Você é rico?!? Como consegue viajar por meses assim? http://goo.gl/cvLztT
      – Com 19 anos, ele viajou pela Europa com apenas 1 euro por dia: http://goo.gl/YZGpy7
      – Viajar sem nenhum dinheiro é possível, sim: http://goo.gl/xtP4k7
      – Viajar não é coisa de ricos: http://goo.gl/M2KEtX

      “Ah, mas não vou ter dinheiro para a hospedagem.”

      – Uma hospedagem que, além de ser de graça, te deixa mais rico: http://goo.gl/jzgJhl

      “Mas não vou ter como comer.”

      – Sem gastar dinheiro com refeições em suas viagens: http://goo.gl/s1nevO

      “Com quem vou deixar meus pets?”

      – Esse cãozinho já viajou mais do que você: http://goo.gl/B2uce8

      – Kitty, a gatinha mochileira: http://goo.gl/4Yv7JT

      “Mas eu sou mulher.”

      – Mochileiras – Mulheres que viajam: http://goo.gl/vhC8qb

      “Não tenho com quem viajar.”

      – As maravilhas de viajar sozinho: http://goo.gl/EjoOVJ

      “Impossível, eu tenho filhos pequenos.”

      – Viajando pelo mundo de bicicleta e com os 4 filhos pequenos: http://goo.gl/Xys9cT

  24. Wilson Junior disse:

    Meu nome è wilson junior , tenho 35 anos e a 15 anos atraz sai do Brasil para o exterior . Eu nunca quis isso , sempre sonhei em terminar uma faculdade. Na epoca estava estudando direito mais era foda a vida, favelado duro mais muito duro, trabalhava como security em Boates(Podres)do RJ por 20 reais a noite toda, nunca tive namorada quando morava AI no Rio apesar de 1.90cm em forma ate hoje. A maior verdade do Rj è mulher gosta de dinheiro , viado è que gosta do resto. Bom decidi que a minha vida teria de mudar, comprei uma passagem e fui para Portugal , tinha um amigo la na epoca.Descobri que os portugeses odeiao e fazem coisas terriveis a todos os Brasileiros, pergunte a qualquer um que morou la, quem foi a passeio nao sabe porra nenhuma de nenhum lugar, vc tem de MORAR LA para saber. Fiquei 4 meses e me alistei na Legiao Estranjeira na França, depois de um ano sai fora e fui ajudar um amigo a dar aula na Suecia (malmo) gostei , bem legal ! Iria ficar la mais um final de semana decidi ir a Londres para conhecer , me amarrei e estou aqui ate hoje.Tenho hoje a maior a ademia de Jiu Jitsu da Europa , Carlson Gracie London. Mais o inicio aqui foi terrivel , na epoca de 2001,2002 Brazilian Jiu jitsu nao existia pela europa , estava tudo muito no inicio.Trabalhei 5 or 6 anos em serviços horriveis ate o Bjj ficar mais popular. Lavador de pratos, garçon, carregador de malas, lavanderia, security, pintor, construçao e por ai vai. Nunca desisti pois eu nao tinha opçao ai no Brasil , sem casa, familia, muito pobre etc . Depois de 2006 mais ou menos o Bjj explodiu , começei a dar aula na Hungria e no Egito . Hoje Carlson gracie na Hungria e Egito sao meus alunos. Eu nunca fui de noitada, bebo 2 vezes ao ano e nunca fumei entao nos finais de semana aqui em vez de noitada eu viajava a outros países , viajar virou ate hoje o meu vicio.. Ja fui Holanda, Alemanha, Italia, Russia, Latvia, Lithuania, portugal, frança, Belgica, Romeniaetc etc etc mais ou menos 35 paìses mais de 5 vezes. Fico pensando como seria minha vida no Brasil , a faculdade que eu ia era um lixo ( Estacio) .Muitos da minha epoca se formarao e passam muito perrenge ate hoje. Nao teria dinheiro para so estudar depois de formado entao teria de ralar bastante.Bom, proxima etapa da minha vida sera voltar ao Brasil so para me casar e tentar a vida ai . Minha volta vai se diferente , comprei alguns apartamentos ai e juntei uma grana boa para abrir um negocio. Todos os meus amigos daqui falam que è loucura mais eu tenho de voltar para casa.Apesar da vida aqui ser boa tenho saudades de corridinhas na praia final de semana, basquete ball aos domingos na Lagoa, ir a churrascarias etc . Vou chegar ai sozinho, nao tenho amigos no Brasil , o tempo passou e todos os meus conhecidos tem filhos e vivem suas vidas. Nao tem problema , sei que a garota da minha vida esta por ai e vou achala. Cheguei aqui na Europa com 200 dolares no bolso, nao falava nenhuma lingua (Ingles, frances, polones e russo falo hoje) a vida foi muito dificil , tive de dormir na rua por uma mes em portugal , morei com indianos nojentos na polonia, dividi quarto com 6 pessoas em Londres. Me lembro em 2002 a minha diversao era ir na Easy everything internet e tinhao uma promaçao 1 libra por a noite inteira, haha era essa entao a minha night. Olhava na net fotos de praia pelo mundo etc. Apesar dos meus pais serem pobres eu NUNCA TROCARIA ELE POR NENHUM BILL GATES DO MUNDO , amo demais minha mae e pai (falecido) . Se sou uma pessoa dura e que com carater bom devo isso a eles. Um dia vou tomar vergonha e escrever um livro, sao muitas historias pessoal, so na epoca da Legia Estrangeira ja da meio livro. Bom pessoal , para vc garotao que esta começando a sua vida… Voce so vai ter uma chance, aproveite a vida , nao tenha medo do mundo. UM LIFE , ONE SHOT , UM SINGLE MOMENT AND YOU CAN CHANGE YOIR LIFE, DONT SET FOR AVARAGE.

    • Wilson, muito interessante seu relato aqui. Porém, eu como carioca que pretendo sair daqui te digo. Em 15 anos a cidade piorou, e muito. Não caia no conto da Copa do Mundo e Olimpíadas, que aqui está mil maravilhas. Isso tudo é mentira. Moro na ZS, e andar na praia de Copa ou Ipanema, dar uma volta na Lagoa como você disse e outras atividades estão extremamente perigosas. Os assaltos em relação ao ano passado aumentaram quase 60 porcento. Os assassinatos idem. Ou seja, isso aqui está o caos. Transporte público cada vez pior. Não se aventure aqui com “abrir um negócio”. A burocracia aqui é gigante, você terá que pagar muitas propinas e fazer o “jeitinho” brasileiro para as coisas funcionarem. E provavelmente vai ser muito mais difícil manter a empresa, podendo falir. Não troque o certo pelo muito duvidoso. Você conquistou muito aí. Aqui está o inferno, ninguém pode sair de casa sem medo de saber se vai voltar. Sem falar a preocupação com família. Você fala muito em vir pra cá e conhecer a mulher da sua vida. Parece ao meu ver, que isso é o mais importante. Mas de que adianta conhecer ela aqui mas viver com medo de sair com ela, com seus filhos, com todos que você gosta de serem assaltados e Deus me livre outra coisa pior acontecer. Do que adianta lutar tão bem se de nada isso adianta se um cara te apontar uma arma (como está cada vez mais comum aqui)?

  25. Gente, nao eh SOH ter coragem. Já morei fora por alguns anos. Nao eh suficiente ter coragem nao. Os desavisados acham isso. Mas sinceramente, se a pessoa quer realmente morar fora nao so ficar um tempo estudando), quando o tempo do seu visto expira, só tendo passaporte do local pra ficar. E está praticamente impossivel arrumar emprego na Europa (minha experiencia). E ai que se voce nao arrumar emprego, vai viver de que? Ninguem vive de vento, e por mais que vc queira chutar o balde, um minimo de programacao e sorte tem que ter. E mesmo se tiver muita grana, pra ficar em um pais X vc tem que ter o direito de ficar la, e isso ai dinheiro nao compra. Enfim, é muita coisa que entra nessa jogada, e tá cada vez mais difícil viver fora e se SUSTENTAR ganhando dinheiro no local onde ta morando.

  26. Cléa Maria disse:

    Eu tenho 36 anos e chutei o balde. Cansei de São Paulo que começou a me oprimir. Não fui morar na Europa, vim pra Ubatuba. Continuo trabalhando pra pagar minhas contas, mas com horário flexível e com qualidade de vida. Sem trânsito, sem poluição, sem ser invisível na cidade. Pego o trabalho que me interessa, que me traz prazer… e sou pedagoga. Quando não dá, pego algum só pra garantir uma grana. Moro numa casa confortável, muito maior que meu apartamento em São Paulo e pelo mesmo preço. Abro minha janela e vejo a serra. Quando estou precisando de inspiração vou a praia, a uma cachoeira ou ao rio que tem aqui praticamente no meu quintal. Visito minhas vizinhas, que também vêm a minha casa. Durmo sem trancar portas e janelas. Foi preciso coragem sim, mas eu fiz uma opção por mim. Não preciso de dinheiro da minha família. Continuo me sustentando, mas meus valores mudaram. Meu conceito de conforto e estabilidade mudaram. Me sinto mais feliz. De vez em quando bate saudade dos amigos, uma solidão estranha, mas frequentemente eles vêm me visitar ou eu vou visita-los. É uma questão de escolha e de disposição pra mudar internamente. Nós realmente ficamos atrelados às expectativas alheias. Tenho recusado propostas de trabalho porque não quero abrir mão dessa liberdade e paz que conquistei. É preciso coragem para ser feliz, quando se sabe exatamente o que te faz feliz.

  27. Não seria este texto uma referência à GERAÇÃO Y (Millenniaus), nascidos nas décadas de 80 e 90???
    Acredito que houve um equivoco ao chamá-la de Geração X. Estes são os nascidos em meados da década de 60, logo após os Baby Boomers.

  28. Acredito no poder da mudança! Sei que muitos no fundo sentem essa vontade e acredito imensamente que devem seguir seus sonhos. De qualquer maneira tudo se renova. Se jogar tudo para cima e não der certo, recomece com o que sobrou! Tudo trará algo, a coragem ou a falta dela. Claro que tem um tom de romantismo tudo isso, aventura, coragem e tudo mais…
    Mas acho importante nos alimentarmos de algo para impulsionar a vida!

  29. E esta virada não precisa ser fora do Brasil, minha gente!!! A minha e de muita gente que conheço, foi mudar para cidades menores, onde as escolas são boas e custam muito menos. Onde o ar é limpo e a segurança existe! Os moradores se conhecem e se cumprimentam e compram verdura fresquinha do vizinho ou do “Sr. das Frutas” que passa na sua porta às terças! Não há trânsito, temos vagas em todo lugar, mas isso não importa muito pq seu carro fica na garagem! Sua bicicleta é infinitamente mais eficiente para quase tudo na sua vida!

    Quem ainda está questionando ‘padrão de vida’ não precisa nem se preocupar! Não é pra vc!!!

  30. Mariane Sa disse:

    Concordo parcialmente …. Para quem tem filho pequeno, marido com emprego bom não é só estalar os dedos e ir não. Passa a ser um planejamento em conjunto. Não é só pensar em mim , mas em mim e nas pessoas que fazem parte da minha família . Viajar e conhecer culturas é maravilhoso mas…. As vezes tenho que deixar de lado a síndrome de peter pan.

Comente no Vagabundo Profissional

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s