Crônicas de uma brasileira na gringa #1 – Por que viajar me fascina tanto?

Eu não só amo viajar como também recordar e compartilhar os momentos que vivencio. Viajar me transforma, me faz melhor, amplia meus horizontes.

Amsterdan - Holanda

Amsterdan – Holanda

Viajando de um lugar a outro me faz viajar alucinadamente em mim mesma. Minhas certezas e conceitos são virados de cabeça para baixo e à medida que tomo conhecimento de novos costumes e culturas algo em mim muda também. Impossível continuar pensando do mesmo jeito após uma viagem porque muito mais que roupas sujas e um sorriso no rosto eu trago na mochila um mágico souvenir: a experiência de um mundo novo.

Não sei quando adquiri um gosto curioso por lugares diferentes. Descobri muito cedo que viajar fazia meu sangue correr mais rápido nas veias e embora eu não tenha me aventurado mundo afora tão cedo quanto eu esperava eu sabia inconscientemente que cedo ou tarde eu botaria os pés na estrada. Agora parece fácil dizer que sabia de algo que aconteceria no futuro, mas a verdade é que todos nós temos certezas guardadas cuidadosamente em um lugar que ninguém é capaz de tocar.

Quando finalmente decidi trocar o certo pelo incerto todos à minha volta disseram que eu desperdiçava talento e oportunidade.

Após cinco anos estudando direito eu descobri que ser advogada não me proporcionava prazer algum. Não importa quanto dinheiro um “profissional do direito” pode ganhar eu não me sentia atraída por uma rotina de preocupação e esperas. Sem entrar no mérito da justiça brasileira, eu não me sentia à vontade para me torturar com uma vida profissional que não me trazia alegria alguma. Penso que passamos muito mais que metade da vida trabalhando, então que seja fazendo algo que me faça feliz e satisfeita. Não pude aceitar continuar fazendo algo por mero dever e status. Enquanto para todos que me acompanhavam na minha rotina achavam que eu enlouquecia por abandonar tudo para trás e me aventurar em algo novo, em um lugar diferente, eu tinha certeza que loucura seria continuar tentando obter satisfação e sucesso em algo que eu já havia declarado falido.

Dinamarca - Copenhague

Dinamarca – Copenhague

Carreguei a mochila com vibrações positivas e me joguei para o novo. A cada argumento contrário à minha decisão de viajar eu exercitava a certeza de que tomar um risco de ser feliz é incomparavelmente melhor do que continuar na certeza de caminhar para a frustração. Não vim para a Holanda por dinheiro ou para fugir de uma realidade amarga. Eu vim porque a mudança era a única alternativa razoável a ser tomada num momento em que todos os poros do meu corpo suplicavam por aventura.

Viajar me enriquece, mas não com dinheiro. O pouco que gasto viajando me proporciona riquezas sem valor. São momentos, lugares e pessoas que não posso avaliar em reais, euros ou dólares.  O sol, a lua e o vento são, sim, diferentes dependendo do lugar onde os vê e sente. As cores, as comidas e as emoções são mais vibrantes e minha conexão com o mundo é, sim, mais intensa quando viajo. Ninguém pode tirar de mim as experiências que vivo viajando e isso faz de mim um bem extremamente valioso, mesmo sem um puto no bolso.

Acredite, viajar é o melhor investimento. Botar o pé na estrada foi o risco mais bem sucedido que tomei e sugiro que o tome também.

 

 

Berlin - Alemanha

Berlim – Alemanha

Bélgica - Bruxelas

Bélgica – Bruxelas

Amsterdan - Holanda

Amsterdan – Holanda

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Crônicas de uma Brasileira na gringa e marcado , , . Guardar link permanente.

19 respostas para Crônicas de uma brasileira na gringa #1 – Por que viajar me fascina tanto?

  1. Grasiele Pacheco disse:

    Eu ouço dos pais todo dia, mais ou menos, a mesma coisa: “como assim você vai largar seu emprego pra passar seis meses fora? E depois como vai ser?”
    Acho que ir em busca dos nossos sonhos e do que nos faz feliz, vale muito mais que um emprego estabilizado e dinheiro no bolso.

  2. Thiago Shimada disse:

    Viajar é tudo de bom, e seguir os seus sonhos é algo realmente motivador.
    Não vejo a hora da próxima viajem, msm sem ter um tostão no bolso dá para atravessar o mundo!!

  3. Cristiano B disse:

    Demais!!! Assino onde??
    KEEP ON THE ROAD!!!!

  4. elizabete disse:

    Adorei o texto. Sinto o mesmo que vc quando viajo. É isso mesmo: o sol, a lua, o ceu, o vento, a luz… não são sempre os mesmos. Felicidades!!!! Qual o próximo roteiro?

    • rivika disse:

      Oi Elizabete! Estou programando a próxima aventura e tem tudo pra dar certo! Vou para Viena e Praga de carro. Vou atravessar a Alemanha e fazer o trajeto todo da forma mais econômica possível! 😉
      Sucesso!

  5. bru disse:

    Adorei seu texto, penso como voce.
    A vida eh uma so e temos que ir em busca da felicidade… cada vez que retorno de uma viagem, penso na proxima… preciso viajar mais.
    Bjss

    • rivika disse:

      Oi Bru! É isso mesmo e o mundo é tão grande que se limitar a um lugar só é desperdício de oportunidade. Um dos meus lugares favoritos é a Patagônia e além de ser perto do Brasil não é caro. Pensa nisso! 😉

  6. Guilherme disse:

    Parabéns pelo texto! Tive a oportunidade de fazer um mochilão de mais de 30 dias viajando para 15 países diferentes, e isso não tem preço! Isso sim é felicidade! Amsterdam, lugar muito louco! 😀

  7. Eli disse:

    adorei o blog e me identifiquei muito com vc!! nao me sinto feliz nessa vida rotineira de escritório, deveres e pressoes. já fiz uma viagem por 5 paises e mal posso esperar pela próxima. mas nao entendi, voce vive em amsterdam ou está mais uma vez só viajando? o que faz pra viver?

  8. J. Pedro disse:

    Irado!!!

  9. Maria de Lourdes dos Santos Silva disse:

    Amei o seu blog. Acho também que as experiências que adquirimos em viagens são únicas e por isso valem para o nosso crescimento. Se pudesse estaria sempre na estrada. Obrigada por compartilhar seus gostos e prazeres.

  10. A cada palavra que lia de seu texto, sentia uma onda de emoções percorrer meu corpo, como se fosse capaz de me fazer levantar agora mesmo da cadeira em frente ao computador e rumar pra algum lugar. É exatamente como tu descreveste. Parece que algumas pessoas gostam do conforto e do acômodo em locais conhecidos e acham loucura abandonar tudo pra viver uma nova aventura. Mal sabem que o medo do desconhecido, do novo, do diferente, de outra cultura pode nos mudar tão profundamente, que o mundo jamais é o mesmo a cada viajem, a cada novo lugar, a cada nova experiência!

Comente no Vagabundo Profissional

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s